ATENÇÃO
Não temos vendedores externos, não realizamos empréstimos.

Mostrando postagens com marcador Negociar Dívidas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Negociar Dívidas. Mostrar todas as postagens

5 passos simples para limpar seu nome

5 passos simples para limpar seu nome
Saiba 5 passos simples para limpar o nome! O que se deve ter em mente neste momento é paciência e planejamento para limpar o nome, saiba que este problema tem solução.

Descontrole nas contas e negativação do nome na Serasa/SPC é algo que pode acontecer. O importante é ser inteligente e bater de frente com o problema! E isso significa negociar a dívida o quanto antes, pois, com o nome negativado você terá problemas para conseguir empréstimos e/ou até mesmo fazer compras parceladas no cartão de crédito. Isso ocorre porque as instituições entendem que você não terá capacidade de pagar pelo crédito que deseja adquirir.

Para solucionar este tipo de problema, a Prosiga selecionou 5 valiosas dicas para te ajudar a limpar o nome de uma maneira simples. Confira!

O que você precisa saber antes de pagar as dívidas

1 - Para quem você deve, 2 - Informações de quem você deve. 3 - Valor inicial da dívida, 4 - Valor atual da dívida, 5 - Contrato que originou a dívida, 6 - Data de prescrição da dívida, 7 - Ajuda para planejar o pagamento da dívida. 

Leve em consideração todas estas informações, pois isso vai simplificar muito quando você desejar limpar o seu nome.

5 passos simples para limpar seu nome

1. Descubra qual loja ou instituição negativou seu nome no SPC/SERASA

O SPC e a Serasa e os cartórios de protesto devem obrigatoriamente fornecer essa informação gratuitamente.

2. Negocie sua dívida diretamente com o banco ou empresa que você deve

Não existe milagres – o nome só irá limpar com a dívida paga e/ou prescrita. Negocie uma redução no valor, solicitando descontos de taxas como juros e multas.

3. Jamais deixe de guardar o comprovante do pagamento

Confira se o valor do pagamento corresponde com o que fora pactuado anteriormente, não aceite surpresas.

4. Limpe seu nome nos bancos e nos cartórios

Caso você tenha sido negativado por cheque devolvido ou título protestado. Nestes casos, os bancos e/ou os cartórios poderão cobrar taxas.

5. Certifique-se que seu nome saiu do SPC e da Serasa

Os bancos, empresas e cartórios são obrigados a limpar seu nome da lista de maus pagadores em até 5 dias após o pagamento da dívida.

Saiba qual é a diferença entre Serasa e SPC

Saiba qual é a diferença entre Serasa e SPC

A Serasa Experian e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) são empresas (com objetivo de lucro) que armazenam informações pessoais de todos os consumidores no Brasil, como nome e CPF, endereço, além de outras informações como dívidas atrasadas, Score, Renda presumida, cheques protestados, cheques roubados, etc. Embora as mesma possuam algumas diferenças, a intenção destas empresas é a mesma: fornecer informações para bancos, financeiras e comércio em geral para dar mais segurança quando essas concedem crédito aos consumidores.

Quando você não pagar uma dívida, a financeira e/ou o banco envia essa informação para a Serasa Experian que você está inadimplente. Essa informação fica disponível para qualquer empresa que se torna cliente dos serviços da Serasa e/ou do SPC.

Aquele que não paga a dívida fica com o nome negativado na Serasa, SPC, ou SCPC por cinco anos a partir da data da negativação, entretanto, o STJ já decidiu que o prazo para exclusão da negativação no SPC e SERASA, inicia-se, no dia seguinte em que o débito não foi pago. Isso se a dívida não for paga anteriormente. Depois de cinco anos, contados a partir do dia seguinte que a dívida não foi paga, tanto a Serasa, quanto SPC e SCPC são obrigadas a tirar essa informação do cadastro e você pode continuar negativado apenas se contraiu outras dívidas.

Entenda a diferença entre Serasa e SPC

As duas empresas têm o mesmo objetivo: fornecer informações dos consumidores para seus clientes (bancos, financeiras, operadoras de cartão de crédito) que desejam vender produtos e serviços e/ou conceder empréstimos.

A Serasa concentra a maior parte das informações sobre os consumidores de produtos e serviços financeiros, enquanto o SPC tem mais informações de consumidores de produtos no comércio.

É imperioso destacar que, quando você é negativado em uma destas empresas, essa informação costuma ser compartilhada entre as duas empresas. Por este motivo, as principais diferenças entre a Serasa e o SPC estão relacionadas à criação e aos modelos de consulta ao CPF.

Saiba o que é a Serasa Experian

Em 1968, a Serasa foi criada através de uma parceria da Associação de Bancos do Estado de São Paulo (Assobesp) com a Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban). Atualmente, ela pertence a uma empresa irlandesa chamada Experian e, por isso, seu nome no Brasil passou a ser Serasa Experian. Esta é uma das empresas avisadas quando você não paga uma dívida. Quando isso ocorre, o consumidor obrigatoriamente deve receber uma carta que avisa sobre a negativação e, nesse caso, você terá 15 dias para resolver essa situação antes que seu nome seja negativado pela mesma.

Caso você deseja consultar seu CPF, é possível consultar pessoalmente nas agências da Serasa Experian ou pelo site da Serasa, sem pagar nada por isso.

Saiba o que é o SPC Brasil

O SPC é patrocinado pelas associações comerciais de todos os estados do Brasil, especificamente as Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDL). Isso significa que o SPC, e a Serasa, vendem aos lojistas a relação de consumidores que estão querendo relacionamento com seus respectivos clientes.

Saiba o que é o SCPC

SCPC é (Serviço Central de Proteção ao Crédito), administrado pela Boa Vista Serviços, é outra empresa que armazena informações sobre os consumidores no Brasil. Diferentemente do SPC, a Boa Vista SCPC também permite que você consulte seu CPF gratuitamente pela internet. Caso queira fazer essa consulta, clique aqui.

Busca e Apreensão de Veículos: Entenda como Funciona

Busca e Apreensão de Veículos: Entenda como Funciona

Aprenda como funciona a busca e apreensão de veículos realizada por bancos, financeiras, escritórios de advocacia e empresas de cobrança. Saiba o que é a busca e apreensão de veículos, a sua problemática por parte do devedor, a previsão contratual da mesma e muito mais.

Problemática do devedor referente a busca e apreensão de veículos:

A aplicação de honorários de advocacia, taxas, multas e juros por atraso ainda na faze extrajudicial da cobrança da dívida, inviabiliza o pagamento do financiamento por parte dos devedores. Além destas cobranças, também inviabiliza o pagamento do financiamento a estratégia de cobrança utilizada pelos bancos e financeiras em só aceitar o pagamento total do contrato após o vencimento de 2 (duas) parcelas das prestações do financiamento em atraso.

Previsão contratual da busca e apreensão de veículos:

Normalmente a busca e apreensão do veículo já esta prevista nos contratos de financiamentos, aqueles com cláusulas de alienação fiduciária, aonde o contratante buscou adquirir bens móveis como: Carros, motos, caminhões, lanchas, navios, helicópteros, etc.

Quando a busca e apreensão do veículo se inicia:

O início da busca e apreensão do veículo acontece devido ao suposto atraso no pagamento das obrigações por parte do devedor.

O banco ou a financeira entra em contato com o cliente objetivando a cobrança das parcelas em atraso, incluindo honorários de advocacia, taxas, multas e juros por atraso no pagamento das prestações do financiamento, inviabilizando o pagamento por parte do devedor que até então não conseguiu pagar o valor original das prestações, objetivando a busca e apreensão do veículo para futura venda do mesmo em leilões extrajudiciais.

É imperioso destacar que não existe data especifica para bancos e financeiras engrenarem na justiça com o pedido de busca e apreensão do veículo.

Da ilegalidade da maioria das buscas e apreensões de veículos:

Ocorre a ilegalidade devido a maioria esmagadora dos casos, os juros de mora serem cobrados conforme os bancos e financeiras desejarem, sem previsão contratual. Neste sentido os juros de mora não podem ser superiores a 1% ao mês e multa de 2% conforme entendimento do STJ e o Código de Defesa do Consumidor.

Ainda na busca e apreensão de veículos, na maioria dos casos, o devedor com pagamentos do financiamento em atraso não recebem nenhuma notificação sobre a apreensão do veículo, que em alguns casos podem gerar até o dano moral para aquele que teve seu veículo apreendido.

O que se tem notado é que os escritórios de cobrança estão praticando a cobrança de juros de mora superiores a 28% ao mês, além de correção monetária, multa e honorários advocatícios, o que também é totalmente ilegal pelo fato de estes escritórios não terem ajuizado ação de busca e apreensão nenhuma e sim estarem fazendo apenas uma cobrança Extrajudicial.

Estes escritórios, com aval dos bancos e financeiras, fazem com que o valor de uma única parcela se torne impagável, pois para os escritórios de advocacia, bancos e financeiras o mais importante é pegar o veículo em busca e apreensão, visto que o negócio deles é o dinheiro e se o devedor não tem dinheiro, qualquer valor adquirido pela venda do veículo em leilão vai gerar dinheiro, sem contar que o devedor poderá continuar sendo cobrado, caso a venda não seja suficiente para pagamento do saldo devedor.

Alerta sobre busca e apreensão de veículos

Você não está participando de nenhum BIG BROTHER, mas sem perceber está sendo vigiado! Antes dos escritórios de cobrança entrarem com a ação de busca e apreensão, eles contratam olheiros ou detetives, motoqueiros para vigiar você e saber aonde esta o veículo, pois quando ganharem a liminar da ação de busca e apreensão, eles acompanham o Oficial de justiça e dão o bote certeiro para retomar o veículo, sem lhe proporcionar a mínima chance de defesa.

Estes olheiros ou detetives particulares estacionam sua moto ou carro, na sua rua ou próximo a sua residência e ficam de plantão observando os horários que você entra e sai da sua residência com o se veículo. No decorrer do dia enviam estes relatórios ao escritório de cobrança.

O mais interessante é que clientes que passaram por essa situação, relataram para nós, que até mesmo funcionários da administração pública acompanham esses olheiros ou detetives, induzindo o devedor do financiamento a entregar o veículo extrajudicialmente.

Aconselhamos que em casos de dúvidas a respeito do oficial de justiça, não deixe de chamar a polícia, visto que também existem casos em que estes detetives e olheiros estão se passando por oficiais de justiça e retomando os veículos.

Também é imperioso ressaltar que somente um oficial de justiça de posse da liminar do mandado de busca e apreensão do veículo tem esse poder, e ninguém mais. Nestes casos, sempre exija a apresentação de credenciais do oficial de justiça.

Da solução extrajudicial da busca e apreensão do veículo:

Existem, inúmeras possibilidades de reversão da busca e apreensão do veículo no âmbito extrajudicial.

"Mais vale um péssimo acordo do que uma excelente demanda". Esse ditado popular até certo ponto é verdadeiro. Mover uma ação judicial custa muito dinheiro, por isso, a possibilidade de realizar um acordo nunca é descartado.

Quando se fala em veículo apreendido em busca e apreensão, existem duas possibilidades de acordo a serem considerados.

O mais comum é o acordo para atualização da dívida. Nesta modalidade de negociação, o devedor deverá concordar em pagar o valor das parcelas em atraso, além de honorários advocatícios e demais taxas, enquanto o banco ou financeira, por sua vez, se comprometerá a devolver o veículo aprendido.

Outra possibilidade de negociação é o acordo de quitação do contrato, a negociação se dará no sentido que as partes ajustarem e definirem um valor a ser pago pelo devedor para obtenção da quitação do contrato mediante a devolução do veículo apreendido em busca e apreensão, livre de ônus.

Conclusão:

Existem inúmeras opções para amenizar os prejuízos, caso haja a total impossibilidade de continuar pagando as prestações mensais, uma alternativa é a venda do veículo, ainda que seja por preço vil, neste caso, vale levar em conta o que será gasto, caso a busca e apreensão do veículo se concretize.

Aposentado consegue quitação de financiamento de imóvel

Aposentado consegue quitação de financiamento de imóvel
Aposentados por invalidez têm a possibilidade de garantir alguns direitos quando o assunto é financiamento de imóvel. Um desses direitos tem a ver com a quitação do financiamento de um imóvel em andamento.

Para se ter esse direito, deve-se observar atentamente cada cláusula do contrato de financiamento imobiliário assinado com qualquer banco.

A grande maioria dos contratos de financiamentos imobiliários tem uma cláusula que garante a quitação da dívida em casos de morte ou invalidez. Esta cláusula se refere aos seguros embutidos no mesmo e é uma praxe do mercado de financiamentos imobiliários. 

Em alguns contratos de financiamento de imóveis existem ainda inúmeras outras irregularidades que possibilitam a devolução de valores que foram pagos indevidamente.

Caso você tenha se aposentado por invalidez, o prazo para a comunicação do sinistro do seguro é de até um ano.

— Recentemente me aposentei por invalidez e nem sabia que eu tinha este direito, muito menos que eu tinha pago por esse seguro. Quando consegui esse direito fiquei tranquilo e muito feliz. Cliente Prosiga

Negocie suas dívidas bancárias

Negocie suas dívidas
Se suas dívidas bancárias não cabem mais no seu orçamento, saiba que existem várias maneiras de solucionar o problema. Dependendo da situação, é possível que você ou sua empresa ganhe dinheiro com as mesmas.

Muito embora você pessoa física ou jurídica não consiga negociar dívidas com bancos e financeiras, saiba que compramos dívidas oriundas de qualquer contrato de financiamento em atraso, seja de pessoas físicas ou jurídicas, ou seja, quitamos seu financiamento. (Mediante análise prévia).

Caso você ou sua empresa estejam inadimplentes com dívidas bancárias, é fundamental e necessário se antecipar, pois é um grande engano adiar a solução das dívidas por pensar que os credores (bancos, fornecedores, financeiras) vão manter as portas abertas para você ou sua empresa devido a um suposto bom relacionamento mantido ao longo dos anos. Demonstrar a boa fé em querer pagar as dívidas pode evitar cobranças judiciais que sempre são prejudiciais aos envolvidos.

A decisão de solucionar as dívidas com bancos e financeiras é algo extremamente urgente e nunca deve ser adiada, visto que a demora desta decisão pode significar prejuízos muito superiores ao valor original da dívida.

PROSIGA de forma impactante tem oportunidades de negócios para você ou sua empresa, são diferentes alternativas e soluções que permitirão o pagamento dos seus compromissos com credores, bancos e financeiras de acordo com a situação de cada contrato.

Desejamos ser uma ferramenta de transformação, seja para pessoas físicas ou jurídicas, assim como já fomos para centenas de outras pessoas e empresas atendidas em todo Brasil, analise nossa empresa com a perspectiva de quem deseja realinhar de forma definitiva e urgente as suas dívidas com seus credores, bancos e financeiras em possibilidades infinitamente melhores do que a situação atual.

De forma simples, segura e objetiva, caso você ou sua empresa tenham contratos de financiamentos em atraso junto a bancos e financeiras, oferecemos inicialmente uma Consulta Grátis para os mesmos.

Conclusão

Servindo como um portal eletrônico de mediação de negociações, compramos dívidas oriundas de contratos de financiamento em atraso, mediante análise prévia, seja de pessoas físicas ou jurídicas.

Caso sua empresa possua contratos de financiamento em atraso, seja para aquisição de carros, caminhões, motocicletas, máquinas agrícolas, máquinas industriais, equipamentos, imóveis, conta corrente, cheque especial, capital de giro, leasing, etc. Queremos conhece-la! 

Compramos empresas ativas, que estejam em dificuldades financeiras!
Deixe seu contato, um de nossos consultores ligará pra você! 

*Caso você perdeu seu emprego ou renda temporária e não consegue pagar as prestações do financiamento de seu veículo, compramos sua dívida e quitamos seu financiamento. (Mediante análise prévia)

Aprenda controlar suas dívidas nos momentos de crise

Uma pesquisa recentemente realizada pela SCPC Brasil mostrou que só na Região Sul existem mais 8 milhões de pessoas e empresas inadimplentes, ou seja, estes têm dívidas em atraso e estão com o crédito negativado. Em média, a pesquisa demostrou que os inadimplentes têm 2,3 dívidas em atraso.

Introdução

Em tempos de crise, os dados são ainda mais alarmantes. Em outro estudo da SCPC Brasil, de cada dez consumidores que estão ou ficaram com o nome sujo nos últimos 12 meses, um deles (11,2%) foi por ter “emprestado” o nome para outra pessoa fazer compras ou tomar empréstimos.

Quando se fala em dívidas, os maiores credores sempre são os bancos, são eles os responsáveis por 44,9% do total das dívidas na pesquisa, em segundo lugar o comércio, com 23,74%, e em terceiro vem a comunicação, com 18,10%. Entretanto não se pode deixar de falar que um número considerável de pessoas já enfrenta sérios problemas com contas básicas, como aluguel, água e energia elétrica.

A inadimplência não é um problema que está acontecendo apenas com pessoas e empresas de um determinado estado ou município, é um problema generalizado que precisa ser enfrentado em todo o Brasil. Reflexo do crédito fácil e sem orientação, agora chegou a hora de anotar todos os ganhos e despesas, criar uma planilha, comprar uma agenda ou bloco ou até mesmo baixar algum aplicativo de celular para anotar tudo aquilo que se ganha e tudo aquilo que se gasta, porque os números têm que fechar. 

Controlando as dívidas

Se você ganha R$ 5 mil reais mensais, você vai precisar saber quanto vai sobrar ao final do mês. Caso não esteja sobrando, você vai precisar saber o que precisa ser cortado.

No momento das compras;

Neste momento o mais importante, é saber definir os gastos fixos mensais. Quais são os valores dos proventos e quais são as despesas mensais? Se a conta da energia está alta, você deve buscar soluções para controlar os gastos, para diminuir a conta você pode desligar aparelhos da tomada ao sair de casa, trocar lampadas antigas por mais novas, etc.

Se a conta da água está muito alta, busque reduzir o consumo dos banhos ou da higiene pessoal, isso realmente funciona. Uma dica muito valiosa é prestar atenção nas compras do dia a dia. Uma solução para economizar nestas despesas é criar uma lista antes de sair para o supermercado e mais importante ainda é não fugir desta lista, além disso, você deve sempre sair de casa alimentado e não sair comprando tudo que ver escrito promoção.

Lições para toda a vida;

Nunca gaste mais do que você ganha, calcule seu salário e seus gastos sem fugir da realidade, gaste seu dinheiro apenas com aquilo que você realmente precisa.

Procure não cair na ilusão do crédito fácil, você facilmente será escravizado(a) por algum período caso caia nesta ilusão. Se ter cheque especial, não utilize, reserve o mesmo para uma emergência, se necessário for. Dessa forma você irá conseguir equilibrar sua vida financeira. Procure se conhecer melhor e saber de seus limites.

O pesadelo do Cartão de Crédito;

Caso seja mal utilizado, o cartão de crédito pode se tornar um pesadelo para a economia familiar. O mesmo pode ser prático e magnifico quando bem administrado, sem anuidade ou com anuidade não importa, desde que você ganhe alguma vantagem. Quando se trata de cartão de crédito o melhor é sempre mante-lo em dia. Caso você atrasar alguma fatura, o mesmo vai virar uma bola de neve infinita, imagine ter que pagar juros de 400% ao ano. 

Pagar o mínimo do cartão de crédito é uma das piores decisões que um consumidor pode tomar.

Os juros do cartão de crédito recentemente bateu recorde, com 449,1% ao ano.

Não "empreste" seu nome para ninguém;

Se alguém lhe pedir o nome "emprestado" saiba dizer não, se a pessoa não conseguiu administrar o crédito no nome dela, quem garante que ela vai conseguir administrar o seu nome? Ainda secundo a pesquisa realizada pela SCPC Brasil, de cada dez consumidores que estão ou ficaram com o nome negativado nos últimos 12 meses, um deles (11,2%) foi por ter “emprestado” o nome para outra pessoa.

Com dívidas e sem emprego;

Caso você esteja com dívidas e sem emprego, por mais que você queira quitá-las com algum dinheiro extra, como por exemplo o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (liberado após demissão), esta decisão pode lhe custar muito caro. Caso você utilize este dinheiro e ainda continue desempregado(a) você correr o risco de ficar sem receitas para cobrir gastos futuros. O melhor a se fazer nestas situações é criar estratégias para tentar multiplicar este dinheiro. Recomendamos que tente multiplicar a receita através de várias estratégias de negociações, não arisque toda a receita em apenas uma única estratégia de negociação. 

Crie uma poupança para emergências;

Esta poupança forçada vai ser um divisor de águas caso você seja vítima do desemprego, esta poupança forçada poderá garantir o pagamento das despesas, entretanto você pode utiliza-la para estratégias de negociações objetivando multiplicar as receitas.

Busque sempre lhe conhecer melhor e saber da sua realidade;

É extrema importância que você tenha total domínio sobre os seus números nesta crise que assola o Brasil. Caso tenha perdido o emprego, valorize o que você possui guardado e some com o que será ganho com a rescisão. Também faça um levantamento sobre todos os gastos mensais, lembre-se, todos. Nada deve deixar de ser anotado.

Elimine todas as ferramentas de crédito;

Caso você esteja enfrentando problemas com dívidas de cartões de crédito, cheque especial, factoring, enfim todos devem ser prioritariamente esquecidos, até em casos de emergência.

Realize uma limpeza financeira;

Chegou a hora de aprender a priorizar, verifique o que realmente é necessário para a sua vida. Todos os gastos devem ser repensados, repense sobre a TV a cabo, celulares, baladas, restaurantes, etc.

Renegocie todas as suas dívidas;

Busque todos os credores e seja o mais franco possível, demostre interesse em não se tornar inadimplente, argumente sobre sua real capacidade de pagamento e troque dívidas caras por dívidas de melhores condições e valores. Esta atitude pode fazer muita diferença para você e para seus credores. É muito importante que você priorize as dívidas com juros mais altos e com imóveis dados como garantia.

Crie estratégias para multiplicar sua renda;

Por menor que seja suas receitas e por mais que você não tenha conhecimento em outras áreas de atuação, busque criar estratégias para multiplicar suas receitas.

Conclusão

Caso você esteja desempregado, não se preocupe, é neste momento que sua consciência será mais criativa. Utilize sua rede de contatos, informe que você está disponível para novas oportunidades. Se você ainda não aprendeu, vai aprender, você precisa estar preparado para as oportunidades, pois ela pode estar na frente de seus olhos e você não consegue enxergar. Seja você mesmo, levante a cabeça, se você chegou até este site é porque você já é um vencedor. 

A Prosiga presta serviços especializados na área e dispõe de CONSULTA ONLINE GRATUITA para seus clientes. Nestes casos não perca tempo, se você ou sua empresa precisam de ajuda, entre em contato conosco, nós teremos o maior prazer em achar uma solução para este contratempo!

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

Dívidas: Entrega quitativa de veículos não é bom negócio!

Dívidas: Entrega quitativa de veículos não é bom negócio! 

Acalme-se! Você ou sua empresa não são os únicos que receberam propostas de entrega quitativa de veículo ou maquinários, esta é uma dúvida que atormenta milhares ou até milhões de brasileiros, pois mesmo depois de toda a espera para a aquisição do veículo, podem surgir inúmeros imprevistos e levar você ao inadimplemento.

No momento em que não se consegue mais pagar as prestações do veículo ou maquinários, existem algumas alternativas e sobre elas vou esclarecer alguns pontos, pois já negociamos dívidas de muitas empresas e pessoas, por isso sei exatamente o quanto é importante saber de truques que podem facilitar a vida financeira de quem está passando por estas situações. 

Meu nome é Jeferson e além de ser uma empreendedor na vida e nos negócios, também sou acadêmico de Direito e isso me permite saber um pouco sobre nossa legislação, o que pode fazer a diferença em poder ajudar você a se proteger das fraudes e abusos cometidos por bancos e financeiras.

É importante ressaltar que as mentiras, constrangimentos e ameaças por parte dos funcionários dos bancos, das financeiras ou das empresas de cobrança no sentido de que: 
  1. se você não pagar as parcelas do veículo ou não entregar o mesmo, você corre o risco de ser preso. "isso é ameaça, é uma mentira, e é crime"
  1. se você não pagar as prestações atrasadas vão arrombar o portão da sua casa e tomar o veículo. "isso é ameaça, é uma mentira, e é crime"
  1. se você não tinha condições de pagar o financiamento o porque comprou o veículo. 
  1. se você entregar de forma amigável o veículo, você terá seu nome limpo no spc e serasa e não deverá mais nada ao banco. "mentira, basta ler seu contrato" 
  1. se você não pagar hoje nós vamos entrar com a busca e apreensão do veículo. "isso é ameaça, é crime"
  1. se você não pagar hoje todo o valor atrasado, quando você passar pela policia vai perder o veículo. "isso é ameaça, é uma mentira, e é crime"
Portanto se você está se sentindo ameaçado, por empresas de cobrança, bancos e financeiras, procure uma delegacia de polícia mais próxima e registre um boletim de ocorrência, pois estas são apenas algumas das inúmeras outras frases utilizadas por bancos, financeiras e empresas de cobrança para cobrar dívidas. 

Outra mentira muito comum é a da Busca e apreensão de Veículos, pois as pessoas que realizam as cobranças insistem em falar para os consumidores que se os mesmos atrasarem uma ou duas parcelas o veículo será apreendido imediatamente. O que ocorre, é que após constatado o atraso de duas ou mais parcelas e esgotado todas as tentativas de cobrança a financeira pode utilizar-se de ação de busca e apreensão para satisfazer o débito do contrato.

Ocorre que para a apreensão ser lucrativa para a financeira ou para o banco é necessário que o veículo tenha algum valor, pois se o veículo ter pouco valor, não será viável, pois o banco ou a financeira, após a apreensão do veículo, precisam gastar com o leiloeiro e inúmeras outras taxas.

Ainda em relação às cobranças, os bancos e as financeiras repassam seus contratos com pouco atraso para as empresas "especializadas em cobrança", ocorre que estas empresas têm somente 30 dias para a realização da cobrança, é por este motivo que fazem de tudo para receber, é por este motivo também que ameaçam os consumidores de todas as maneiras possíveis e impossíveis, geralmente ilegais. Quando ocorrer da empresa não receber em 30 dias, esses contratos geralmente são repassados para outras empresas de cobrança por outros 30 dias, e assim continuadamente, até que a financeira ou o banco entender ser inviável continuar com o contrato, é neste momento em que se começa a chegar nos acordos.

Quanto mais antiga a dívida,  melhor é a chance de se obter um acordo com os bancos e as financeiras. 

Entre tantas mentiras já ouvidas por mim, também escuto nas ligações de cobrança de meus clientes, que o financiamento protestado nunca prescreve, quanto a isso o Código de Defesa do Consumidor é bem claro e não permite que sejam repassadas informações negativas de consumidores sobre dívidas vencidas a mais de 05 anos, ou seja, após 05 anos até protesto some.

Outra situação que me sinto na obrigação de alertar você, para que preste muita atenção, é com a questão do ajuizamento de ações revisionais e consignatórias de pagamento, pois existem muitos advogados que não são sérios e chegam ao cúmulo de entregar ao cliente boletos de contas pessoais, propostas que não existem e inúmeros outras falcatruas presenciadas, por isso, se você tem uma ação revisional com consignação de pagamento ou uma consignatória, é melhor ir até o Fórum de sua cidade e conferir se os depósitos estão realmente sendo feitos.

No meu ponto de vista, como acadêmico de direito, além da falta de argumentação e de juntada de provas um erro bastante comum dos advogados, dos casos que chegam até meu conhecimento, é que os mesmos não informam os consumidores sobre as custas judiciais ou cobram as custas e solicitam a justiça gratuita, ocorre que esta cada vez mais difícil para um juiz atender ao pedido de isenção de custas, e mais de 70 % dessas ações acabam quando o juiz manda pagar as custas e o advogado abandona a ação.

Portanto, se você ajuizou contratou algum advogado para ingressar com uma ação revisional ou consignatória, vá até o fórum ou confirme no site do tribunal se sua ação ainda está tramitando ou se foi extinta por falta de pagamento de custas processuais.

Lembre-se que a proposta das empresas de cobrança em você realizar a entrega quitativa do veículo com quitação do contrato, isso é MENTIRA, pois dificilmente a entrega do veículo irá quitar o contrato, na maioria das vezes, a entrega somente irá amortizar uma parte do saldo devedor, e o consumidor, além de perder o veículo ainda continuará com uma dívida que não para de aumentar, ou seja, aceite esta proposta de fazer a entrega amigável do veículo para quitação, após você receber um contrato da financeira em que isso esteja escrito de uma maneira bem transparente. -- "Eu em mais de 8 anos trabalhando com isso nunca vi um contrato deste". 

Ainda, em relação às chamadas “Cobranças vexatórias”, que acontecem com ligações constantes para parentes, amigos, vizinhos e até mesmo para o trabalho do consumidor informando que é ligação de cobrança ou ainda com ligações em que o cobrador chega a xingar o financiado, fazendo ameaças físicas ou morais, em todas essas situações cabe indenização por danos morais, e as vezes essas indenizações são maiores que o valor devido pelo financiado, então se você for vítima de qualquer dessas situações, tente gravar as ligações ou me procure que irei auxiliar você na solução deste problema.

Lembre-se de jamais fazer um financiamento para um amigo, vizinho, parente ou outra pessoa, porque, com toda a certeza, essa outra pessoa não irá pagar o financiamento, até o término do mesmo, e você possivelmente ficará com restrições no nome e sem o carro.

Existem inúmeras alternativas possíveis para quem não consegue pagar um financiamento, a mediação a conciliação ou quem sabe até a arbitragem se assim o banco ou a financeira aceitar pode servir para solucionar problemas como este. Espero ter ajudado a diminuir o número de abusos cometidos por bancos, financeiras e advogados mal intencionados.

Sempre existirão meios de se quitar o veículo, pagando um valor justo, através de negociações sustentáveis e bons acordos.

Dívidas: Empresa de cobrança pode ligar para os familiares do devedor?

Dívidas: Empresa de cobrança pode ligar para os familiares do devedor?

Estou com dívidas em um determinado banco, mas este banco tem ligado para o número dos meu familiares e amigos. O que fazer? Posso denunciar esse banco? Neste caso, tenho direito a indenização por danos morais?

Você entende do assunto? Então pode ajudar milhares de pessoas respondendo nos comentários ou escrevendo um artigo sobre o tema. Contribua!

Para publicar seu artigo para os leitores da PROSIGA envie o mesmo para info@prosiga.net

Busca e apreensão de veículo financiado: Saiba Mais!

busca e apreensão de veículos financiados é uma decisão, de um determinado juiz, que autorizou apreender o bem anteriormente dado em garantia do pagamento de um financiamento ou empréstimo, cuja obrigação do devedor está em atraso.

Normalmente a busca e apreensão de veículos financiados já esta prevista nos contratos de financiamentos, aqueles com cláusulas de alienação fiduciária, aonde o contratante buscou adquirir bens móveis como: Veículos, carros, motos, caminhões, lanchas, navios, helicópteros, etc.

Mas o que é afinal, um contrato de financiamento com cláusula de alienação fiduciária? É uma das muitas condições de financiamentos no qual a pessoa que efetuou a compra do veículo somente passa a ser efetivamente dono, quando quitar totalmente a sua dívida com o banco ou a financeira.


Ela acontece devido ao suposto atraso no pagamento das parcelas, o banco ou a financeira entra em contato com o cliente devedor objetivando a cobrança das parcelas em atraso incluindo em 99,9% das vezes juros exorbitantes, multas por atraso, multas por estar inadimplente, honorários advocatícios e tudo mais. Não existe data especifica para eles entrarem em contato nem data certa para eles engrenarem na justiça com o pedido de busca e apreensão do veículo

Somente nos casos em que o banco ou a financeira não consegue cobrar do consumidor as parcelas em atraso acrescidas do que eles desejam, é que solicitam ao juiz a expedição da busca e apreensão do veículo.

O juiz convencido pelo banco ou pela financeira, determina que o oficial de justiça vá até o domicílio do suposto devedor, acompanhado por um funcionário do banco ou financeira, em alguns casos também pela polícia, objetivando realizar a apreensão do veículo financiado. O consumidor terá, então, a contar do próximo dia útil, 5 dias para pagar as prestações atrasadas acrescidas de honorários de advogados e tudo mais ou 15 dias para apresentar defesa através de Advogado.

Quando o veículo for apreendido, ele volta a ser do banco ou financeira até que, no prazo dos 5 dias, o devedor quite tanto as parcelas vencidas e vincendas, além de todas as despesas adicionais. 

Mas, caso o banco ou a financeira leiloe o veículo logo após a realização da busca e apreensão do veículo, como é comum, e isso acontecer dentro do prazo de 5 dias, já estando o valor integral da dívida quitada, a instituição deverá indenizar o devedor em 50% do valor do bem que consta no contrato.

Estou com este problema, como agir?

Conhecedores das mais variadas expertises dos bancos e instituições financeiras, aconselhamos que o mais racional é você emprestar seu veículo para seu filho, assim, você poderá informar ao oficial de justiça, que o veículo não está no local, assim, não sofrerá acusações. Então se, você informar que o seu carro está com seu filho em uma outra cidade, não estará se recusando a entregá-lo.

Ainda na busca e apreensão de veículos, 90% dos consumidores com pagamentos em atraso não recebem nenhuma notificação sobre a apreensão do veículo, que em alguns casos pode gerar até dano moral para aquele que teve o carro apreendido.


Se no seu contrato não tem nada falando da cobrança de determinados valores, não pague e não aceite pagar taxas, multas e juros abusivos.

Bancos não podem cobrar juros com capitalização anual, salvo se previsto em contrato

Bancos não podem cobrar juros com capitalização anual, salvo se previsto em contrato
Os Bancos não podem cobrar pela capitalização anual dos juros de cliente que utiliza o limite do cheque especial, salvo se essa cobrança estiver prevista no contrato assinado entre a instituição financeira "Bancos" e o titular da conta-corrente.

Esta decisão foi proferida pela Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em julgamento de um recurso apresentado pelo HSBC BANK BRASIL S.A. - BANCO MÚLTIPLO. O entendimento dos ministros do STJ confirmou uma decisão dos desembargadores (acórdão) do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

Na decisão, a instituição financeira foi proibida de cobrar pela capitalização anual dos juros porque não apresentou no contrato, aonde previa a cobrança. Além de não poder cobrar pela capitalização anual dos juros a instituição financeira também foi condenada ao pagamento de multa de 10% sobre o valor corrigido da causa (R$ 1.000 em 15 de dezembro de 2003).

Segundo o ministro Marco Buzzi, que foi relator do recurso especial na Segunda Seção, observou que o entendimento do STJ é de que a cobrança de juros capitalizados em periodicidade anual nos contratos bancários somente pode ser possível mediante “expressa pactuação". 

“No presente caso, o tribunal de origem assentou que os contratos não foram apresentados, impossibilitando a análise de previsão expressa de pactuação da capitalização de juros”, afirmou o ministro no voto, aprovado por maioria na Segunda Seção.

Ainda Marco Buzzi, “considerando a ausência de pactuação expressa da capitalização anual, o acórdão do Tribunal de Justiça do Paraná está em conformidade com o entendimento do STJ”.

Nesta decisão, o competente Tribunal de Justiça do Paraná observou ainda que a cobrança de tarifas bancárias não precisa estar pactuada em contrato porque “representam a remuneração pelos serviços efetivamente prestados pela instituição financeira, sendo devidamente regulamentadas pelo Banco Central”.

A divergência exposta pela ministra e seguida pelos ministros Villas Bôas Cueva, João Otávio de Noronha e Raul Araújo, foi, vencida pela tese apresentada pelo relator, Marco Buzzi.

Este texto notícia refere-se ao(s) processo(s): Aresp 429029 REsp 1095852

3 dicas para empresas com dívidas recuperarem o crescimento

Consultor de negócios nesta área há mais de 8 anos, posso afirmar, com propriedade, que ser devedor sem ter expectativa de pagar é a uma das piores experiências da vida, podendo esta experiência levar as pessoas a doenças graves, como a depressão e em outros casos, até mesmo à morte.

As dívidas não chegam todas de uma vez, assim como as doenças, as dívidas precisam de muita atenção aos primeiros sintomas, que na maioria das vezes, acabam passando desapercebidos.

O tempo que se gasta para iniciar o tratamento será determinante para que se possa criar estratégias e retomar o controle do problema. Até porque, ao contrário das doenças sem tratamento as DÍVIDAS TÊM SOLUÇÃO!

Relacionamos abaixo 5 dicas que, se seguidas, podem livrar uma empresa da falência, salvar os empregos que dela dependem e o mais importante, trazer de volta o lucro de suas atividades. Vamos a eles?

Dica 1 – Identificação real do problema e seu tamanho;

Pode até parecer simples, mas esta é uma das tarefas mais complexas de todo processo. Esta tarefa começa com desconfianças de que algo está errado e se encerra com uma grande realidade, o faturamento da empresa não será suficiente para pagar todas as dívidas.

Administrar uma empresa é diferente de administrar as contas da família. O orçamento familiar é razoavelmente previsível. Da renda familiar, existem as despesas da casa, sem grandes surpresas (exceto em casos como doenças, mortes, perca de renda, etc.).

Entretanto em uma empresa existem custos fixos, habituais e muitos custos variáveis. Além disso, a empresa pode ser atingida por uma mudança de comportamento no consumo, as vendas podem cair e, o que é ainda mais perigoso, a inadimplência pode multiplicar, afetando e muito sua capacidade de pagamento.

Recebemos milhares de contatos de micros, pequenos e médios empresários e quando listamos todas as suas despesas e receitas e, principalmente, quando realizamos a projeção das suas situações financeiras ao longo de um determinado período, a reação imediata dos mesmos é de completo desespero.

Também ao longo dos anos podemos observar que logo em seguida os mesmos tentam buscar os culpados pela situação. Por fim, se sentem envergonhados. Sim, vergonha! Infelizmente o sistema capitalista do qual estamos inseridos tem como regra básica, discriminar como INCOMPETENTE todo aquele que não consegue pagar em dia suas contas.

E essa, sem sobra de dúvidas é a fase mais perigosa que um empresário endividado pode passar.

Dica 2 – Organização;

Confirmado a situação de superendividamento da empresa, ou seja, da sua incapacidade de honrar suas obrigações de pagamentos, chegou a hora de reorganizar os números. Despesas e receitas.

Além da organização dos números se faz necessário identificar todas as despesas e priorizar quais merecem melhor atenção.

Um bom empresário vai fazer inúmeros sacrifícios para horar o pagamento de seus funcionários e provavelmente já tenha utilizado seus limites bancários, que são as dívidas mais abusivas, que merecem um "carinho" maior, devido aos exorbitantes e abusivos juros cobrados pelos bancos e instituições financeiras.

Empréstimos, financiamentos, folha de pagamento, impostos, fornecedores, aluguéis; enfim, todos as despesas devem ser listadas, para que, possam ser estudadas, reduzidas e até mesmo de eliminadas.

Realizando estas dicas, o desespero – que já era grande – agora aumentou um pouco mais. A realidade está aí, na frente dos olhos dos empresários. O medo se transformou em realidade: Se a empresa não ter uma estratégia de negociação eficaz, ela não sobreviverá e irá morrer financeiramente.

Acalme-se, o seu equilíbrio deve assumir o controle. A situação pode até parecer grave, mas tem de ser enfrentada de cabeça erguida. Abandonar o barco e entregar os pontos não é solução. 

Ao logo dos anos, tenho certeza que ninguém do seu financeiro ou nenhum contador lhe informou que os bancos e as financeiras estavam sendo desonestos com a sua empresa. É hora de agir! Não existe outra solução.

Agir significa, não esperar ser pego de surpresa, é dar o primeiro passo antes do problema bater a sua porta.

Dica 3 – Comprometimento;

Uma galinha e um porco estão caminhando pela estrada, e a galinha diz:
- "Ei, porco, eu estava pensando que a gente devia abrir um supermercado.”
- "E qual vai ser o nome do supermercado?”, pergunta o porco.
- "Que tal ‘Presunto e Ovos’?”, pergunta a galinha.
- "Não, obrigado”, responde o porco. “Eu teria que me comprometer, mas você só teria de se envolver.”


Você sabia que muitas pessoas desistem bem próximo à seus objetivos, onde, em muitos casos, bastaria apenas comprometimento para conquistá-los?

Em muitos casos de dívidas bancárias e empresariais acontecem exatamente a mesma coisa. O desespero é tão grande que as dívidas se tornam algo estratosférico que acabam tendo consequências inimagináveis, muito superior ao tamanho original. E isso pode levar a empresa à desistir dos objetivos… Por medo de dar o próximo passo!

Comprometa-se! Observe o problema como ele é, de forma simples e objetiva. Confronte os números.

Por alguma razão a empresa chegou a esse estado. Você pode colocar a culpa nos funcionários, no governo, nos bancos, nas financeiras ou em qualquer pessoa que desejar. Entretanto, nada tira, a necessidade de aprender e evoluir – de forma simples e objetiva.

Dica 4 – Eliminar custos;

Esta sem modéstia nenhuma é a dica mais importante e uma das tarefas mais difíceis, eliminar custos, porém é fundamental para salvar qualquer empresa. Não se deve sair cortando qualquer despesa de forma não estratégica, as empresas necessitam de condições mínimas para se manterem no mercado. Precisam de funcionários e de um local para funcionar.

Precisam de algumas despesas fixas como; água, energia elétrica, telefone, internet, e de uma série de outros itens e serviços para continuarem funcionando.

O primeiro sacrifício deve ser feito de cima para baixo, ou seja, os donos e diretores, cortar regalias e gastos desnecessários, se possível converter salário fixo, por ganhos sobre comissão.

Neste momento, se o imóvel da empresa é alugado, vale procurar o locador para renegociar os valores. Nessa recessão, o poder de negociação dos inquilinos aumenta.

O pagamento das dívidas bancárias e de empréstimos é, de todos os pontos, um dos mais delicados e difíceis de serem resolvidos. Isso porque os bancos e as financeiras praticamente não negociam de uma hora para outra. E, quando desejam negociar, as condições são tão ruins e desvantajosas que somente servem para aumentar o grau de endividamento das empresas.

Você deve estar se perguntando, porque aquele gerente de banco amigo, que sempre nos recebia com sorrisos e linhas de crédito, virou as costas agora que a empresa precisa de empréstimo? Nós podemos ajudar!

Do corte de despesas, para todo bom e justo empresário, o mais difícil, sem dúvidas, é a demissão dos funcionários. Esta decisão pode ser indispensável, já que, em grande parte das empresas, os custos com a folha de pagamento é um dos itens que mais oneram o caixa.

Não havendo outra alternativa, os cortes das folhas de pagamento, devem ser realizadas o mais rápido possível e, de preferência, todas de uma única vez.

Dica 5 – Recuperar o crescimento!

Nas dicas anteriores, aprendemos a conhecer melhor a empresa. Entretanto, não só devemos querer salvar as empresas que estão endividadas, mais também entender o porque elas ficam endividadas.

Financiamentos, custos de processos muito elevados, dívidas bancárias, funcionários desmotivados, equipe maior que a necessária, inadimplência fora de controle, desperdícios, etc.

Como já escrevemos no início deste texto, as dívidas impagáveis são como doenças. Não se desespere, dívidas tem solução. Não são raros os casos de empresários com depressão e várias outras enfermidades correlatas as dívidas empresariais.

Assim como também não é incomum, o processo de dívidas descontroladas provocar o fim de casamentos e relacionamentos entre pessoas da própria família. Administrar uma empresa deve ser prazeroso, como tudo na vida.

Caso você não sinta prazer em ser empresário, repense o que você está fazendo de sua vida. 

Atenciosamente;
Jeferson Lehmann 

 

Copyright © 1999 - 2017 Prosiga - [prosiga.net] Todos os direitos reservados.

Site Seguro
Política de Privacidade. A Prosiga preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, entretanto não nos responsabilizamos por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes. Você pode usar as informações contidas nesse site, mas não deve nunca deixar de fazer suas próprias pesquisas e coleta de informações antes de tomar qualquer decisão. Nós procuramos responder dúvidas dos nossos leitores. Isso não significa que somos obrigados a responder todas as perguntas que recebemos. Também não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas. Elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc.
Tudo Sobre:

Recuperação de Créditos, Cobrança Judicial, Recuperação de Empresas, Revisão de Dívidas Empresariais, Banco Itaú S.A., Banco Bradesco S.A., Banco Volkswagen S.A., Busca e Apreensão, Banco Toyota S.A., Banco Santander S.A., Banco Itaucard S.A., Banco Votorantim S.A., HSBC Bank Brasil S.A., HSBC Bank Brasil S.A., Recuperação de Créditos, Banco Panamericano S.A., Dano Moral, Banco Randon S.A., Banco Sofisa S.A., Banco Mercedes-Bens do Brasil S.A., Banco Safra S.A.>, BV Financeira S.A., Solução de Dívidas, Banco Honda S.A. , Hipercard Banco Múltiplo S.A., Banco Morgan Stanley S.A., Banco John Deere S.A., SICREDI S.A., Banco Alfa S.A., Banco ABN AMRO Real S.A., Banco do Brasil S.A., Banco Capital S.A., Banco Petra S.A., Scania Banco S.A.

.