ATENÇÃO
Não temos vendedores externos, não realizamos empréstimos.

Mostrando postagens com marcador Cobrança. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cobrança. Mostrar todas as postagens

Cobrança e Recuperação de Ativos: Entenda como funciona

Cobrança e Recuperação de Ativos: Entenda como funciona
Muito tem se falado sobre cobrança e recuperação de ativos na internet, ocorre que, campanhas envolvendo bancos e financeiras tendem a ter um nível de negociação e complexidade desafiador dentro de qualquer empresa de cobrança, afinal, este assunto "dinheiro" é delicado para os consumidores e de extrema importância para as empresas contratantes.

Entre as várias ações que qualquer empresa de cobrança pode fazer nessa área, duas se destacam por sua importância e recorrência, assim, neste texto, vamos apresentar como funciona a cobrança e a recuperação de créditos, além de demostrar como ambas podem ser feitas pela mesma empresa:

Como funciona a cobrança e recuperação de créditos:

Atividade de cobrança: ação tomada pela empresa em consequência de um valor devido pelo consumidor. Em linhas gerais, ela é usada para cobrar ou renegociar uma dívida específica – o que faz com que seja uma negociação mais complexa.

Esta atividade de cobrança exige uma capacitação maior dos negociadores, que devem conscientizar os devedores de uma oportunidade de regularização.

As intervenções dos negociadores devem ser feitas com base em um ciclo de cobrança, que contribui para a empresa de cobrança definir qual será a linguagem utilizada durante as abordagens, além, de não esquecer que uma intervenção de cobrança pode ter motivação judicial.

Recuperação de créditos: ação distinta da cobrança, pois, o foco dela não é, acabar com uma dívida. Essas estratégias são voltadas aos consumidores que já possuem dívidas e que foram inseridos em cadastros negativos de empresas como o SCPC e SERASA. Por este motivo, essas pessoas perderam o direito de obter crediário junto a outras instituições financeiras.

Diante desta situação, entra o trabalho de recuperação de crédito: Nestes casos, o objetivo maior é ajudar o consumidor inadimplente em sanar suas dívidas e regularizar sua situação financeira junto aos seus credores, objetivando poder retomar seu acesso a linhas de crédito.

É imperioso destacar que, nestas situações, é preciso usar uma abordagem mais estratégica, já que a empresa responsável pela abordagem tem a função de restabelecer o acesso do consumidor ao crédito.

Nesses casos específicos, o trabalho dos negociadores tende a ser maior e pode até envolver mais de uma instituição. Ao final das negociações, um indicador positivo para averiguar o sucesso desse tipo de operação é o número de pessoas com crédito restabelecido após o contato.

Vale ressaltar que os dois casos contam com ações que podem ser executadas pela mesma empresa, já que a diferença está na abordagem feita pelos negociadores, alem disso, a legislação tributária e financeira é a mesma e pode ser usada nas atividades de cobrança e nas de recuperação de crédito.

Devedor você passou vergonha? Isso é crime!

Devedor você passou vergonha? Isso é crime!
Existem inúmeras maneiras do credor realizar cobranças e claro tem todo o direito de protestar um título não pago, efetuar o registro do nome do devedor em órgãos de restrição ao crédito, tais como SPC, SERASA. Além disso pode ajuizar ação judicial objetivando cobrar o valor que acredita ser devido.

O credor pode perfeitamente ainda utilizar-se na cobrança de envio de cartas, telefonemas e até mesmo cobradores.

No entanto, o direito de cobrança do credor vai até o limite do direito do devedor de não se sentir importunado desproporcionalmente ou até constrangido.

Hoje em dia tornou-se comum as ligações a toda a hora, em qualquer lugar, com ameaças e com linguajar desoportunos,certamente está pratica é um abuso ao direito do devedor.

O credor em hipótese nenhuma não pode ameaçar, coagir ou constranger o consumidor na cobrança de uma dívida, como por exemplo, entrar em contato com vizinhos, parentes, amigos ou diretamente no trabalho do devedor.

Perceba que esta atitude já está consolidada em lei, e considerado crime pelo Código de Defesa do Consumidor:

Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.

Art. 71. Utilizar, na cobrança de dívidas, de ameaça, coação, constrangimento físico ou moral, afirmações falsas incorretas ou enganosas ou de qualquer outro procedimento que exponha o consumidor, injustificadamente, a ridículo ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer: Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

É previsto na maioria dos contratos que os credores contratem empresas de cobrança para satisfazerem seus interesses. Quando o contrato chega nestas empresas de cobrança, seus funcionários sem pudor nenhum,  fazem uma verdadeira pressão no devedor, utilizam-se de mentiras cabeludas, do tipo..."se você não pagar vamos adentrar na sua casa para buscar mercadorias, iremos derrubar o portão, seu veículo vai ser preso pela polícia, porque você assinou o contrato se não consegue pagar, estamos vigiando você, seu veículo será preso quando for parado em uma blits, etc." estas atitudes por parte das empresas de cobrança é muito mais eficaz e barata do que muitas vezes entrar com processo na justiça objetivando cobrar a dívida.

Além do mais estas empresas de cobrança realizam inúmeras ligações telefônicas durante o dia e muitas das vezes quando atendidas eles mesmo desligam para continuar perturbando, não só o devedor mais também os vizinhos, os amigos, ou pessoas aonde você trabalha.

Na realização das cobranças estas empresas não têm o mínimo de respeito com os devedores, vislumbram apenas o lucro e suas metas de resultado. A grande maioria destas empresas, digo com propriedade e conhecimento de causa que 99% delas, não se importam com os horários ou com o dia de perturbarem o sossego de suas vitimas.

Os consumidores jamais deverão aceitar este tipo de abuso.

Primeiramente, recomendamos que a vítimas destes abusos, realize uma queixa crime em uma delegacia de polícia mais próxima de sua residência, informando os fatos ocorridos, e os autores destes abusos, no caso a empresa que está realizando a cobrança e o credor que se tem a dívida.

A responsabilidade pelos danos causados nestas vítimas de abusos é tanto do credor como também da empresa de cobrança, conforme já se prevê no Código de Defesa do Consumidor. Por esta razão, é extremamente importante fazer a queixa crime em nome das duas empresas.

Ressalta-se que nos casos de ligações para vizinhos, amigos ou trabalho, é importante que a vítima leve as testemunhas que tenham atendido tais ligações para relatarem sobre os fatos ocorridos.

Já na hipótese da cobrança ser realizada através de cobradores contratados que cometeram abusos ao realizarem a cobrança causando constrangimentos ao devedor, exemplo: deixando recados para vizinhos, amigos, ou colegas de trabalho, nos moldes “Diga pro fulano que estive aqui e vim buscar o dinheiro, Diga ao fulano que estive aqui para o dinheiro que ele deve pro beltrano” ou ainda “Diga para aquele velhaco do teu vizinho que se ele não pagar a dívida…”, ou que realizam a cobrança de forma pública, na frente de outras pessoas, usando de ameaças, de palavras degradantes ou de baixo calão, fazendo o devedor passar vergonha, é importante que se tenha testemunhas dos fatos ocorridos, pois a prova se constituirá em uma elemento facilitador para a tomada de decisão por parte do Juiz da causa.

Temos conhecimento de casos em que o devedor de tanto ser perturbado em seu trabalho acabou sendo demitido de seu emprego.

Estas empresas de cobrança não podem enviar aos devedores nenhuma carta que demonstre, de forma explicita, que o documento se trata de cobrança de dívida. Muito menos no envelope pode constar o logotipo da empresa de cobrança.

Estas empresas de cobrança só estão ganhando rios de dinheiro e cometendo os mais variados abusos contra os devedores, porque na grande maioria das vezes os consumidores já estão fragilizados com sua situação e aceitam calados, desconhecendo as leis e não se informando sobre seus direitos. 

Alertamos que vocês nestas situações, procurem informar-se sobre seus direitos, fazendo isso estará ajudando a combater os abusos cometidos diariamente por estas empresas de cobrança contratadas por bancos, financeiras e operadoras de cartão de crédito.

STJ decide pela ilegalidade na cobrança da TAC e TEC nos financiamentos

Os consumidores já podem comemorar por esta pequena vitória, porque o Superior Tribunal de Justiça (STJ) votou pela ilegalidade da cobrança da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC) e da Tarifa de Emissão de Carnês (TEC) — estas taxas podem variar de R$ 600 a R$ 4 mil para quem realiza contratos de financiamentos ou até mesmo para quem realiza pagamentos via boletos bancários — o ponto negativo para os consumidores foi que o STJ manteve a tarifa cadastral e permitiu a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras e de Crédito (IOF) sobre o valor principal no cálculo dos juros. Esta decisão ainda não está valendo, porque até no dia de hoje não foi publicada no Diário Oficial.

Esta decisão tomada pelo STJ será válida para mais de 285 mil ações que discutem esse assunto no país. Estas ações que estavam paralisadas e aguardavam a definição sobre a ilegalidade ou legalidade dessas cobranças chegam a envolver um valor estimado em R$ 533 milhões. As ações estavam paralisadas devido a determinação da ministra do STJ Isabel Gallotti.

Ocorre que esta decisão do STJ é considerada prejudicial para muitos consumidores, pois ela só é valida para os contratos realizados após 2008, ou seja: Os consumidores que realizaram os contratos antes de 2008 e entraram com as ações solicitando a restituição de valores e tiveram suas ações paralisadas foram prejudicados pois foi decidido que eles não tem mais direito da devolução. Esta decisão ainda é considerada negativa pois a "TAC" ainda se confunde com a tarifa de cadastro, o que da vantagem a bancos e financeiras, pois cuja cobrança foi legitimada pelo STJ.

Esta tarifa cadastral é cobrada uma única vez ao se abrir uma conta, ou começar um relacionamento com alguma instituição. Um banco ou uma qualquer instituição financeira, por exemplo, só podem fazer essa cobrança uma unica vez. Alguns pontos não estão claros e objetivos. Exemplo: Se eu tenho aberto uma conta em um determinado banco e vou financiar um veículo em uma concessionária pelo mesmo banco que sou cliente a tarifa de cadastro pode ser cobrada? Obviamente que entendemos que não. 

Outro ponto que coloca o consumidor em desvantagem é o fato de o imposto "IOF" poder ser cobrado sobre o valor principal da dívida:

Nestes casos, o valor do "IOF" vai ser financiado e vai ser cobrado juros sobre juros, para quem não sabe financiando R$ 2 mil de IOF no final do contrato o consumidor paga R$: 4 mil. 

Para ler a certidão do julgamento Clique Aqui

Com esta decisão nós consumidores continuaremos sendo verdadeiros "burros de carga" deste sistema financeiro.

 

Copyright © 1999 - 2017 Prosiga - [prosiga.net] Todos os direitos reservados.

Site Seguro
Política de Privacidade. A Prosiga preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, entretanto não nos responsabilizamos por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes. Você pode usar as informações contidas nesse site, mas não deve nunca deixar de fazer suas próprias pesquisas e coleta de informações antes de tomar qualquer decisão. Nós procuramos responder dúvidas dos nossos leitores. Isso não significa que somos obrigados a responder todas as perguntas que recebemos. Também não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas. Elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc.
Tudo Sobre:

Recuperação de Créditos, Cobrança Judicial, Recuperação de Empresas, Revisão de Dívidas Empresariais, Banco Itaú S.A., Banco Bradesco S.A., Banco Volkswagen S.A., Busca e Apreensão, Banco Toyota S.A., Banco Santander S.A., Banco Itaucard S.A., Banco Votorantim S.A., HSBC Bank Brasil S.A., HSBC Bank Brasil S.A., Recuperação de Créditos, Banco Panamericano S.A., Dano Moral, Banco Randon S.A., Banco Sofisa S.A., Banco Mercedes-Bens do Brasil S.A., Banco Safra S.A.>, BV Financeira S.A., Solução de Dívidas, Banco Honda S.A. , Hipercard Banco Múltiplo S.A., Banco Morgan Stanley S.A., Banco John Deere S.A., SICREDI S.A., Banco Alfa S.A., Banco ABN AMRO Real S.A., Banco do Brasil S.A., Banco Capital S.A., Banco Petra S.A., Scania Banco S.A.

.