ATENÇÃO
Não temos vendedores externos, não realizamos empréstimos.

Mostrando postagens com marcador Banco Bradesco S.A.. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Banco Bradesco S.A.. Mostrar todas as postagens

BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander criam gestora de inteligência de crédito


Para quem ainda não sabe a gestora de inteligência de crédito (GIC) foi criada para desenvolver um banco de dados para agregar, conciliar e tratar informações cadastrais e creditícias de todos os consumidores brasileiros, tanto de pessoas físicas como de jurídicas. 

Com esta iniciativa, o Banco do Brasil (BB), o Bradesco, o Santander Brasil, a Caixa Econômica Federal e o Itaú Unibanco esperam uma maior troca de informações, ampliando a eficiência na gestão e liberação do crédito.

Segundo "especialistas" a gestora de inteligência de crédito e o consequente aperfeiçoamento da análise e gestão do crédito vão contribuir para a queda de spreads, da inadimplência e do superendividamento dos consumidores.

As razões que levaram os bancos a criação da gestora de inteligência de crédito, é a expertise no setor bancário e na gestão de informações oriundas do sistema financeiro, que permite melhor conhecimento de seus clientes.

A gestora de inteligência de crédito é estruturada como sociedade anônima, com controle compartilhado entre as partes, sendo que cada uma detém 20% do capital social da mesma. O conselho de administração da gestora é composto por integrantes indicados pelas partes e os executivos terão dedicação exclusiva ao negócio.

Financiamento de Veículos volta Crescer no Brasil

Financiamento de Veículos
O Banco Bradesco e Banco do Brasil voltaram a registrar aumento no financiamento de veículos. Após o gosto amargo deixado pela inadimplência nos financiamentos sem entrada, o Banco Bradesco e Banco do Brasil começam a aumentar a oferta de crédito para compra de veículos em meio à retomada do setor, os mais afetados pela crise. Enquanto o Bradesco e Banco do Brasil voltaram a registram aumento no financiamento de veículos, o Banco Itaú está próximo de inverter a trajetória de queda.

Esta virada ocorre devido a retomada das vendas de veículos novos, associada ao desempenho do mercado de usados, que aliviou as perdas do setor durante a crise. Contribui ainda a melhora de condições macroeconômicas, como a redução do desemprego.

Chegando a R$ 20 bilhões de saldo, a carteira de crédito para veículos do Bradesco apresentou alta de 2% em setembro ante junho. 

Já o Banco Itaú, o ponto de inversão ainda não ocorreu, entretanto já está mais próximo. Atualmente, o crédito a veículos representa apenas 7,8% da carteira do Itaú, com pouco mais de R$ 16 bilhões. O banco Itaú espera que sua carteira de crédito para veículos volte a crescer.

A carteira de veículos do terceiro trimestre do Banco do Brasil, embora tenha caído 14,9% em relação a igual período de 2016, teve expansão de 4,6% na comparação com o segundo trimestre deste ano.

O ranking dos grandes bancos, com relação ao financiamiento de veículos, mudou completamente no Brasil. A liderança do setor, antes nas mãos do Banco Itaú, passou para o Santander Brasil, que encerrou setembro com mais de R$ 34 bilhões emprestados nesta linha, volume 5,4% maior em relação a junho e 16% em um ano. 

A retomada do crescimento nos financiamentos de veículos tem sido mais conservadora. A média praticada hoje no mercado, conforme o superintendente do Santander, é de exigência de 30% do valor de carro de entrada e prazo máximo de 36 meses. No passado, era de 15% e 48 vezes, respectivamente.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Dívidas com Banco Bradesco BBI S.A.

Banco Bradesco BBI S.A.
Atraso no pagamento de Dívidas com Banco Bradesco BBI S.A. e inúmeros sintomas de dificuldades financeiras aparecem muito antes de uma crise financeira se instalar.

Prosiga é formada por um time de especialistas apaixonados em solucionar problemas financeiros, tendo como foco principal a gestão de dívidas em atraso, proporcionando desenvolvimento social e melhoria na qualidade de vida de todas as partes envolvidas.

Para as pessoas físicas, empresas, associações e sindicatos que possuam dívidas com Banco Bradesco BBI S.A. em atraso, a Prosiga oferece o serviço de Gestão de Crise Financeira, este serviço visa minimizar, reduzir, ou se possível, eliminar os impactos causados por esta adversidade, possibilitando que nossos clientes tenham o menor prejuízo financeiro e reputacional possível.

Nós temos consciência de que nossos clientes desejam pagar suas dívidas bancárias o mais rápido possível, por este motivo, nossos especialistas em renegociação de dívidas bancárias vão trabalhar incansavelmente no sentido de conquistarem acordos que fiquem dentro da capacidade de pagamento de nossos clientes, e só vão parar de trabalhar, quando conquistarem o êxito nas negociações.

Caso você e/ou sua empresa possuam dívidas com Banco Bradesco BBI S.A. em atraso, desejam ter o mínimo de problemas neste momento e sair com os menores danos possíveis, clique aqui, preencha o formulário e aguarde nosso contato.

Dívidas com Banco Bradesco Financiamentos S.A.

Banco Bradesco Financiamentos S.A.
Atraso no pagamento de Dívidas com Banco Bradesco Financiamentos S.A. e inúmeros sintomas de dificuldades financeiras aparecem muito antes de uma crise financeira se instalar.

Prosiga é formada por um time de especialistas apaixonados em solucionar problemas financeiros, tendo como foco principal a gestão de dívidas em atraso, proporcionando desenvolvimento social e melhoria na qualidade de vida de todas as partes envolvidas.

Para as pessoas físicas, empresas, associações e sindicatos que possuam dívidas com Banco Bradesco Financiamentos S.A. em atraso, a Prosiga oferece o serviço de Gestão de Crise Financeira, este serviço visa minimizar, reduzir, ou se possível, eliminar os impactos causados por esta adversidade, possibilitando que nossos clientes tenham o menor prejuízo financeiro e reputacional possível.

Nós temos consciência de que nossos clientes desejam pagar suas dívidas bancárias o mais rápido possível, por este motivo, nossos especialistas em renegociação de dívidas bancárias vão trabalhar incansavelmente no sentido de conquistarem acordos que fiquem dentro da capacidade de pagamento de nossos clientes, e só vão parar de trabalhar, quando conquistarem o êxito nas negociações.

Caso você e/ou sua empresa possuam dívidas com Banco Bradesco Financiamentos S.A. em atraso, desejam ter o mínimo de problemas neste momento e sair com os menores danos possíveis, clique aqui, preencha o formulário e aguarde nosso contato.

Dívidas com Banco Bradesco S.A.

Banco Bradesco S.A.
Atraso no pagamento de Dívidas com Banco Bradesco S.A. e inúmeros sintomas de dificuldades financeiras aparecem muito antes de uma crise financeira se instalar.

Prosiga é formada por um time de especialistas apaixonados em solucionar problemas financeiros, tendo como foco principal a gestão de dívidas em atraso, proporcionando desenvolvimento social e melhoria na qualidade de vida de todas as partes envolvidas.

Para as pessoas físicas, empresas, associações e sindicatos que possuam dívidas com Banco Bradesco S.A. em atraso, a Prosiga oferece o serviço de Gestão de Crise Financeira, este serviço visa minimizar, reduzir, ou se possível, eliminar os impactos causados por esta adversidade, possibilitando que nossos clientes tenham o menor prejuízo financeiro e reputacional possível.

Nós temos consciência de que nossos clientes desejam pagar suas dívidas bancárias o mais rápido possível, por este motivo, nossos especialistas em renegociação de dívidas bancárias vão trabalhar incansavelmente no sentido de conquistarem acordos que fiquem dentro da capacidade de pagamento de nossos clientes, e só vão parar de trabalhar, quando conquistarem o êxito nas negociações.

Caso você e/ou sua empresa possuam dívidas com Banco Bradesco S.A. em atraso, desejam ter o mínimo de problemas neste momento e sair com os menores danos possíveis, clique aqui, preencha o formulário e aguarde nosso contato.

Gestora de Inteligência de Crédito S.A.

A Gestora de Inteligência de Crédito S.A. é uma gestora de informações cadastrais criada a partir da união de 5 bancos Brasileiros - Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú-Unibanco e Santander, com o objetivo de estabelecer uma empresa diferente no mercado de informações de crédito, ferramenta que beneficia os bancos e demais instituições que demandam informações de crédito (Ex. segmentos de Varejo e Telecom). 

O Banco do Brasil, o Bradesco, a Caixa Econômica Federal, o Itaú-Unibanco e o Santander aproveitando a oportunidade proporcionada pela lei do Cadastro Positivo, criaram uma empresa para atuar de maneira inovadora no mercado dos tradicionais “Bureaus de Crédito”, com produtos baseados em big data e técnicas de inteligência artificial que possibilita que os bancos e financeiras tenham maior conhecimento e controle dos dados de pessoas e empresas. 

Com a disseminação do uso e da importância do histórico positivo de crédito, os bancos acreditam que ajudarão também a desenvolver a educação financeira da população brasileira, entretanto, sabemos que os mesmos querem manter o seu histórico de crédito como um verdadeiro ativo financeiro, criando um círculo virtuoso para a economia dos mesmos.

Banco Bradesco: Instituição está descartando os funcionários com mais de 30 anos de casa

Alegam tratar funcionários como família, mas vêm demitindo profissionais com mais de 30 anos de dedicação e próximos ao período de estabilidade pré-aposentadoria. O marketing interno do Bradesco propaga a imagem de que o banco e seus trabalhadores são uma grande família. Só que o Sindicato dos Bancários de São Paulo tem recebido muitos casos de bancários demitidos após mais de 30 anos de dedicação ao banco e próximos do período de estabilidade pré-aposentadoria.

Essas demissões estão sendo feitas sem qualquer avaliação negativa prévia. O movimento sindical luta há anos para que o Bradesco estabeleça um Plano de Cargos, Carreira e Salários com critérios claros e transparentes para promoção e também demissão. Também reivindica que o banco se comprometa a reconhecer os termos da convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho, que coíbe demissões imotivadas. 

“O funcionário foi competente e serviu ao banco durante 30 anos e, de uma hora para outra, é demitido sem antes ter recebido qualquer avaliação negativa”, critica a dirigente sindical Liliane Fiuza.“É um absurdo e um desrespeito, porque está claro que o Bradesco quer se livrar desses profissionais que geralmente recebem salários mais altos. Mesmo se a empresa estivesse passando por uma situação financeira delicada, o que não é o caso do Bradesco, não se justifica essa atitude.”

O Bradesco teve lucro líquido ajustado de R$ 17,121 bilhões em 2016. Mesmo com tal resultado, o banco extinguiu empregos. No final do ano passado tinha 108.793 funcionários, dos quais 21.016 foram incorporados do HSBC no segundo semestre de 2016. Em setembro do ano passado, já com a incorporação, o Bradesco contava com 109.922 funcionários, o que significa que nos últimos três meses de 2016 fechou 1.129 postos de trabalho. 

Lucros só aumentam – Em 2017 o banco continuou com o lucro nas alturas. Nos três primeiros meses do ano lucrou R$ 4,648 bilhões. O resultado corresponde a crescimento de 13% em doze meses e 6% no trimestre. A instituição financeira encerrou março de 2017 com 106.644 empregados, aumento de 15.249 postos de trabalho se comparado ao mesmo mês de 2016. A expansão foi motivada pela incorporação do HSBC. Se analisado o período logo após a incorporação, houve redução de 3.278 postos de trabalho desde setembro do ano passado.

“Os resultados atestam que o banco está longe de viver uma situação financeira que demandaria demissões. A isso soma-se a realidade apresentada por muitos departamentos onde os funcionários enfrentam a sobrecarga de trabalho decorrente do corte de postos de trabalho", ressalta Liliane. “O banco ganha muito da sociedade, e o mínimo que deveria dar em contribuição seria a geração de postos de trabalho, mas nem isso é capaz de fazer”, critica a dirigente.

“E ainda por cima, propaga ser uma família mas demite pais e mães que se encontram próximos do período de estabilidade pré-aposentadoria. Que família é essa que descarta seus entes que dedicaram uma vida inteira justo no momento que mais necessitam de tranquilidade e estabilidade?”, questiona Liliane. “Cobramos o fim das demissões imotivadas e que o Bradesco cumpra com a função social que uma concessão pública deve ter, por meio da geração de empregos e o respeito aos seus empregados”, afirma a dirigente.

Fonte: Sindicato dos Bancários de São Paulo

Banco Itaú Unibanco foi a empresa que mais lucrou na Bolsa de Valores em 2016

Itaú Unibanco e Bradesco são as empresas que obtiveram os maiores lucros no ano de 2016 na bolsa de valores. No respectivo ano, o Banco Itaú registrou um lucro de R$ 21,6 bilhões, já o Banco Bradesco lucrou R$ 15,1 bilhões. As informações são da consultoria Economatica, que foram divulgadas nesta quinta-feira (30).

De acordo com a pesquisa, o setor bancário liderou os ganhos no ano de 2016, mesmo com queda em relação a 2015. Somando o resultado de 23 instituições do setor o lucro ultrapassou os R$ 48, bilhões no ano de 2016, uma queda de 13,4% em relação ao ano anterior, que lucrou (R$ 56 bilhões).

Lista das 10 empresas que mais lucraram em 2016, segundo a Economatica: 

Itaú Unibanco: R$ 21,6 bilhões 
Bradesco: R$ 15,1 bilhões 
Vale: R$ 13,3 bilhões 
Ambev: R$ 12,5 bilhões 
Banco do Brasil: R$ 8 bilhões 
Santander: R$ 5,5 bilhões 
CTEEP: R$ 4,9 bilhões 
Telefônica Brasil: R$ 4,1 bilhões 
BBSeguridade: R$ 4 bilhões 
Cielo: R$ 4 bilhões 

Procon: Juros do cheque especial aumenta pela 9ª vez seguida em outubro

Procon: Juros do cheque especial aumenta pela 9ª vez seguida em outubro
A taxa média dos jurus do cheque especial de 13,56% ao mês em setembro aumentou para 13,72% em outubro e a taxa do empréstimo pessoal também aumentou de 6,8% para 7,05% no mesmo período.

Segundo a pesquisa divulgada nesta segunda-feira (10) pelo Procon-SP a taxa média dos juros do cheque especial aumentou pela nona vez consecutiva em outubro.
Vale lembrar que os juros nestes patamares elevadíssimos podem, dificultar ou até impossibilitar a quitação da dívida.
Em um ano, o consumidor que obter uma dívida de R$ 1 mil no cheque especial a uma taxa de 13,72% ao mês estará devendo R$ 4.677, sem considerar multas e taxas por atraso.

Sobre os Bancos

Entre os bancos pesquisados, a Caixa Econômica Federal foi o banco que mais aumentou a taxa de juros do cheque especial, de 13,05% para 13,55% - um aumento de 3,83%.

O Bradesco subiu a taxa de 13,15% para 13,55%, já o Itaú Unibanco, de 12,95% para 13,14% (aumento de 1,47%).

Agências HSBC agora com fachada do Bradesco: Saiba o que muda para os clientes

Agências HSBC agora com fachada do Bradesco: Saiba o que muda para os clientes
Agências do HSBC Bank Brasil agora com fachada do Banco Bradesco, sou cliente do HSBC e agora? É fato que os clientes do banco HSBC vão migrar definitivamente para o Bradesco, por este motivo o HSBC enviará nos próximos dias correspondência aos 5 milhões de seus clientes com informações para acesso via internet banking, celular, caixas eletrônicos e cartão de débito.

Esta mudança de logo marcas irá ocorrer nas 851 agências, 4.400 caixas eletrônicos e 4.250 postos de atendimento de empresas parceiras do HSBC.

O HSBC Bank Brasil é a maior aquisição da história do Banco Bradesco. Custou R$ 16 bilhões e agregou cerca de R$ 175 bilhões em ativos ao banco, com a aquisição o Bradesco está de aproximando do seu principal concorrente, o Banco Itaú.

O Banco Bradesco, desde 1943 já fez 48 aquisições, sedo elas, bancos, financeiras e seguradoras. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), concedeu para o mesmo o direito de aquisição do HSBC Bank Brasil, porém, ficou impedido, de adquirir qualquer instituição financeira que atue no Brasil, pelo no prazo de 30 meses.

Clientes e serviços

Segundo o Banco Bradesco, os clientes HSBC poderão permanecer nas mesmas agências onde hoje têm relacionamento. Os clientes ainda podem manter os mesmos pacotes de serviços, com as mesmas franquias e preços. Ocorre que os pacotes e taxas hoje existentes no HSBC, não serão mais vendidos e não estarão disponíveis para os novos clientes da instituição.

Os clientes do HSBC Bank Brasil serão informados de todas as novidades através de correspondências e também quando a alteração do novo cartão que será confeccionado.

Banco Bradesco e Banco do Brasil se unem para concorrer com Nubank

Banco Bradesco e Banco do Brasil se unem para concorrer com Nubank
O Banco Bradesco e o Banco do Brasil se uniram para criar o Banco CBSS, uma instituição focada na população de baixa renda. 

Recentemente sem muita publicidade a instituição colocou no ar uma plataforma digital para venda e gestão de cartão de crédito, nomeada de Digio, a plataforma tenta ser algo semelhante a proposta do Nubank, uma empresa brasileira que oferece cartão de crédito sem anuidade e com gestão em um aplicativo.

Por meio de um aplicativo no celular, o cliente enviará seus dados e após uma analise do seu cadastro o cartão de bandeira visa poderá chegar em seu endereço em até 12 dias. No aplicativo o cliente poderá aumentar ou diminuir o limite do cartão no app e até informar um roubo ou perda do mesmo.

Também é imperioso ressaltar, que além do modelo tradicional de avaliação de crédito das operadoras de cartão de crédito e bancos, o processo de liberação de crédito inclui uma análise do perfil do cliente nas redes sociais.

A curto prazo, o banco também oferecerá cartões pré-pagos, empréstimos pessoais e seguros. O Banco CBSS e a Livelo já estão avaliando a criação de um programa de fidelidade para os clientes dos cartões do banco.

Inovação

Os bancos e financeiras estão no meio de uma corrida pela inovação. Desafiados por empresas brasileiras recém criadas que usam estruturas enxutas para vender serviços financeiros, eles estão investindo em soluções similares e até mesmo adquirindo empresas inovadoras.

Exemplo disso foi o Banco Santander, que comprou a ContaSuper, empresa que oferece uma conta digital.

Banco Bradesco é condenado a pagar R$ 30 mil por quebra de sigilo bancário

A 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou que o Banco Bradesco extrapolou os limites impostos pela norma legal ao quebrar sigilo de um de seus gerentes e chamá-lo para prestar explicações.

Os bancos não têm o direito de quebrar o sigilo bancário de seus empregados e clientes para investigar suas vidas financeiras. Em caso de movimentações financeiras suspeitas, o dever da instituição é simplesmente informar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre as mesmas. 


Para o Juiz da Justiça do Trabalho, o banco Bradesco expôs a dignidade e a honra de seu empregado, pois o fato chegava ao conhecimento dos outros funcionários da agência. O Banco Bradesco foi condenado a pagar R$ 30 mil reais ao gerente.

Segundo o relator do caso, Marcelo Lamego Pertence, o artigo 11, incisos I e II, da Lei 9.613/98 (Lei de Lavagem de Dinheiro) dispõe que as instituições financeiras deverão informar as movimentações financeiras que apresentem "sérios indícios" do crime de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos e valores. A Circular 3.461/2009 do Banco Central do Brasil, que fixa as regras para a prevenção e o combate às práticas de lavagem, determina que as instituições bancárias comuniquem ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) as operações superiores a R$ 10 mil feitas por seus clientes.

Por fim, o desembargador concluiu que o banco extrapolou os limites impostos pela norma legal, "cometendo ato ilícito, violando a intimidade do empregado, causando-lhe, com essa conduta, dano moral, passível de reparação, na forma do disposto nos artigos 186 e 927 do Código Civil".

Ainda ressaltou: "Além de praticar uma conduta antijurídica, ao cobrar explicações acerca de movimentações extraordinárias, o banco não adotou nenhuma medida para evitar que tal situação constrangedora fosse conhecida por outros trabalhadores da agência", ressaltou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

RR-78700-51.2006.5.17.0011

Banco Bradesco terá de pagar indenização milionária a comerciante

A acusação feita pelo Bradesco à polícia de suposto envolvimento em fraude por parte do comerciante Raimundo Astolfo Santos (ex-empregado do banco) custará à instituição financeira o pagamento de indenização por danos morais e extrapatrimoniais no valor de dois mil salários mínimos (R$ 1.020.000,00, pelo mínimo atual). Esse valor ainda será corrigido com juros, a partir de 1987. No entanto, em votação unânime, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que os juros de mora serão de 0,5% ao mês, e não 1%, conforme decisão inicial.

A polêmica se deu porque, no Código Civil, existem entendimentos referentes aos dois percentuais. De acordo com o relator do processo no STJ, ministro Luis Felipe Salomão, quando se trata de um caso de responsabilidade extracontratual, os juros moratórios incidem “a partir do evento danoso, no percentual de 0,5% ao mês, na vigência do Código Civil de 1916, e de 1% ao mês, na vigência do Código Civil de 2002”. Como o fato ocorreu antes de 2002, não há como o cálculo do percentual não ser o de 0,5%. O relator baseou sua decisão em vários precedentes observados no âmbito do STJ, em votos relatados pelos ministros Fernando Gonçalves e Sidnei Beneti.

Do Golpe

O caso aconteceu no período entre 1987 e 1988, nos municípios de Alcântara e Timon, no Maranhão, quando um grupo, por meio de fraude, conseguiu efetuar vários saques no valor total de 2,8 milhões de cruzados (moeda em circulação na época). Raimundo Astolfo foi acusado de envolvimento no golpe, segundo informado nos autos, porque anos antes teria sido subgerente do Bradesco numa das agências onde foram efetuados os saques e, também, por ser primo de um dos envolvidos.

O comerciante relatou, ao apresentar ação de indenização, que por conta da denúncia teve sua loja invadida, foi jogado num camburão da polícia e esbofeteado por policiais na frente dos filhos, da mulher e dos vizinhos. Além disso, seu nome foi amplamente divulgado pela imprensa como um dos envolvidos no escândalo denunciado pelo Bradesco. Ele teria passado por vários constrangimentos, até que, em 1994, sentença do juízo da 3ª Vara Criminal de São Luís o absolveu ao julgar improcedente a denúncia.

Recurso

O comerciante ganhou a ação de indenização na Justiça maranhense, mas, em recurso interposto ao Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), o Bradesco teve acatado o pedido para que o valor fosse revisto (tinha sido estabelecida a atualização mediante juros de mora de 1% ao mês). O TJMA passou a considerar, então, que a taxa de juros em casos de responsabilidade extrapatrimonial deveria ser, realmente, de 0,5% ao mês. Diante da decisão, Raimundo Astolfo recorreu ao STJ, que manteve o entendimento sobre o valor do percentual estabelecido pelo TJMA.


 

Copyright © 1999 - 2017 Prosiga - [prosiga.net] Todos os direitos reservados.

Site Seguro
Política de Privacidade. A Prosiga preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, entretanto não nos responsabilizamos por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes. Você pode usar as informações contidas nesse site, mas não deve nunca deixar de fazer suas próprias pesquisas e coleta de informações antes de tomar qualquer decisão. Nós procuramos responder dúvidas dos nossos leitores. Isso não significa que somos obrigados a responder todas as perguntas que recebemos. Também não nos responsabilizamos por erros, omissões ou imprecisões nas nossas respostas. Elas não substituem a orientação de especialistas como advogados, contadores, especialistas em finanças etc.
Tudo Sobre:

Recuperação de Créditos, Cobrança Judicial, Recuperação de Empresas, Revisão de Dívidas Empresariais, Banco Itaú S.A., Banco Bradesco S.A., Banco Volkswagen S.A., Busca e Apreensão, Banco Toyota S.A., Banco Santander S.A., Banco Itaucard S.A., Banco Votorantim S.A., HSBC Bank Brasil S.A., HSBC Bank Brasil S.A., Recuperação de Créditos, Banco Panamericano S.A., Dano Moral, Banco Randon S.A., Banco Sofisa S.A., Banco Mercedes-Bens do Brasil S.A., Banco Safra S.A.>, BV Financeira S.A., Solução de Dívidas, Banco Honda S.A. , Hipercard Banco Múltiplo S.A., Banco Morgan Stanley S.A., Banco John Deere S.A., SICREDI S.A., Banco Alfa S.A., Banco ABN AMRO Real S.A., Banco do Brasil S.A., Banco Capital S.A., Banco Petra S.A., Scania Banco S.A.

.